segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

DESERTIFICAÇÃO



É a transformação de uma área em deserto. Este fenômeno representa a perda da capacidade produtiva de ecossistemas provocada pela ação do homem, como o desmatamento, o uso indevido do solo e a irrigação malfeita. Basicamente, as atividades econômicas de uma região ultrapassam a capacidade de suporte e de sustentabilidade da área, gerando a desertificação e prejudicando consideravelmente a natureza e a população local, pois provocam extinção de espécies, erosão genética de fauna e flora, entre outras conseqüências. Com o empobrecimento do solo, ocorre a morte da vegetação e a transformação do local em terreno arenoso.
A Organização das Nações Unidas (ONU) - que adotou a data de 17 de junho como Dia Mundial de Combate à Desertificação - classifica o fenômeno da degradação da terra em zonas áridas, semi-áridas e subúmidas por meio de secas geradas por variações climáticas e atividades humanas. Essas regiões, também chamadas de terras secas, ocupam mais de 37% de toda a superfície do planeta, abrigando mais de 1 bilhão de pessoas. Isso representa quase um sexto da população mundial, cujos indicadores são de baixos níveis de renda, de padrão tecnológico, de escolaridade, além de ingestão de proteínas abaixo dos padrões aceitáveis pela Organização Mundial da Saúde.
Um relatório da ONU concluído em 2007 revela que a desertificação ameaça 75% das terras áridas e semi-áridas da América Latina - o equivalente a um quarto da superfície da região. Segundo o documento, um terço da população mundial é vítima da degradação das terras. O cenário projeta um total de 50 milhões de pessoas sendo obrigadas a migrar, dentro de dez anos, por causa disso.E a desertificação não é exclusividade de nações pouco desenvolvidas da América Latina, África e Ásia. O problema começou a ser notado nos Estados Unidos, durante a década de 30, e existe em países como Austrália e na Europa. A estimativa é de que pelo menos 100 países enfrentem o problema.
O Brasil conta com quatro núcleos de deser-tificação. Eles somam 18,7 mil km² e se localizam nos municípios de Gilbués, no Piauí; Seridó, no Rio Grande do Norte; Irauçuba, no Ceará; e Cabrobó, em Pernambuco. Mesmo as regiões mais ricas do país, como o Sul e o Sudeste, são alvo de desertificação ou estão em estado de alerta. A lista de Estados com algum registro desse fenômeno é formada por Bahia, Piauí, Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Norte, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Ceará, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul, além da região amazônica.

Para saber mais:

Livros:
Para Compreender a Desertificação: uma Abordagem Didática e Integrada. E. Cavalcanti
(Instituto Desert, julho de 2001)
Desertificação (Unesco, 2003)

Internet:

Em inglês:

FONTE: http://www.amanha.com.br/NoticiaDetalhe.aspx?NoticiaID=19124083-2dc6-49df-a22a-75edfda79110



Aquecimento global provoca carência de água e "africanização" da Espanha, e o maior exemplo é o processo de desertificação observado em Murcia, destaca o jornal "The New York Times" na edição de 03-06-08 - Monica Gumm / The International Herald Tribune - http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/nytimes/2008/06/03/ult574u8528.jhtm


3 comentários:

Objetivo disse...

Olá professora Suely boa tarde! Meu nome é Saulo sou mestrando em Geografia Física pela UFPE. gostaria de parabenizar seu blogger, pelo espaço que consiste na divulgação científica.
A respeito do artigo, gostaria apenas de fazer uma obervação a respeito do conceito de desertificação. O conceito "moderno" de desertificaçaõ, se é que podemos dizer deste modo, não conceitua o mesmo como um processo de formação de desertos, pois não consiste necessariamente nisto. De acordo com Souza (2003), o fenomeno da desertificação poderia ser classificado como um desequilíbrio do "climáx" de um ecossistema, no caso ao qual nos referimos: a caatinga. Muitas vezes uma área vulnerável a desertificação nao apresenta necessraiamente uma paisagem típica de deserto, execeto em alguns casos mais críticos.
Era esta a observação.

Suely Chacon disse...

Oi Saulo!
Fico muito grata por sua visita ao nosso Blog,e mais ainda pelo comentário, ajudando a todos nós a compreender melhor esse tema.
O Blog foi criado para que pudessemos aprender juntos, e é ótimo ver isso acontecendo.
Convido a você a nos mandar um artigo, ou alguma notícia que ache pertinente. Sua colaboração vai ser muito bem vinda!!
Abraço da Suely!

Anônimo disse...

Gostaria de enviar os links abaixo que podem ser de interesse para todos os que estao envolvidos com o meio ambiente e com a natureza, incluindo os agricultores e ecologistas.


Trata-se de um equipamento muito simples e que pode ser de grande valia para todos, como já tenho experimentado em pequena escala, aqui na Bahia onde resido.

Esta tecnologia, vem evoluindo a partir de descobertas feitas pelo cientistas e pesquisadores desde os anos 40 e 50.
Pode auxilalir no modelamento de microclimas, e combate a desertificação (uso mais cientifico)

prototipos e projetos:
http://www.scribd.com/doc/3164985/Prototipo-de-Cloudbuster

http://www.scribd.com/doc/2171792/CloudChemtrail-Buster-Standard?__cache_revision=1231652476&__user_id=-1&enable_docview_caching=1


Teoria:
http://www.scribd.com/doc/3165392/Introduccion-al-Orgonite-Ingles-
http://www.scribd.com/doc/13208115/Cosmic-Orgone-Engineering-Wilhelm-Reich-
http://www.wizzersworkshop.com/Modern_Orgone_5/M_O_5.pdf

como fazer um :
http://www.youtube.com/watch?v=dqw7z2JJ-w4
http://www.youtube.com/watch?v=M92WLMq8ll0&feature=related