domingo, 20 de março de 2011

Cultura do Ceará

Encontro reúne gerações de rabequeiros

19/3/2011 Clique para Ampliar
O evento, que reúne várias gerações de músicos, tem a programação inteiramente gratuita
FOTO: ALANA ANDRADE
Orquestra Armorial do Cariri arrancou aplausos do público durante sua apresentação no auditório de Sesc/Senac

O I Ceará das Rabecas foi aberto, ontem, no Sesc/Senac Iracema. Exposições (fotográfica e instrumental), oficinas, seminários, apresentações de mestres rabequeiros e de grupos regionais e lançamento de livro fizeram parte do evento.

Reunir gerações de rabequeiros do Estado para o fortalecimento da cultura é o objetivo do festival que conta com apoio do Sistema Verdes Mares.

Um público diversificado em termos de faixa etária compareceu ao Sesc/Senac Iracema. "É muito interessante ver aqui reunidos a nova geração e a velha guarda de rabequeiros. Além do que, apreciar esta exposição fotográfica e ter contato com as luthiers que nos mostram a verdadeira arte de se confeccionar uma rabeca, é gratificante", contou a publicitária Nathália Cardoso (24), publicitária.

Aos 83 anos, seu Antônio Hortêncio ainda não perdeu o ritmo de seu instrumento preferido que aprendeu tocar quando tinha 15 anos, lá na Varjota. Ele ´´debruça-se´´ sobre a rabeca e executa o clássico "Asa Branca" para seu deleite. "Tocar rabeca não é tão fácil assim como é o violino", afirma seu Antônio.

A nova geração de rabequeiros representada por Jéferson Leite (29), também deu uma "´palhinha´´ para o público, tocando chorinhos consagrados.

"Não podemos deixar essa tradição se acabar. Além do que tocar rabeca é prazeroso", argumentou Jeférson Leite.

O luthier (fabricante de rabeca)Benedito Sousa (55), considerou importante expor o produto que fabrica. "Aqui temos chance de vender instrumentos. Em Itapajé, onde moro é difícil encontrar comprador. Confeccionar rabeca não é fácil, requer paciência e dedicação. R$250,00 custa a rabeca que é uma obra de arte" completou.

O professor Gilmar de Carvalho curador do I Ceará das Rabecas, que também é o nome de seu livro lançado, aproveitou para ressaltar a importância do evento. "Durante esses três dias de programação inteiramente gratuita, o público terá a oportunidade de participar de uma intensa e bastante rica diversidade cultural. Aqui estão mestres e tocadores que mantêm viva a tradição de tocar um instrumento que embora seja de origem árabe, foi incorporado à cultura brasileira, de feitura popular.

Livro

Sobre seu livro, Gilmar diz que juntamente com o fotográfico Francisco Sousa, procurou resgatar esta cultura, através de pesquisa, que mostrou existir mais de 100 rabequeiros em atividade no Interior do Ceará.

2 comentários:

Luiz disse...

Olá Suely, tudo bem?

Em primeiro lugar, parabéns pelo Blog, gostei muito do conteúdo e dos temas propostos.

Também gostaria de aproveitar e pedir uma ajudinha. Atualmente, estou divulgando o EaD Senar, que oferece cursos gratuitos à distância para os moradores do meio rural de todo o Brasil.
Atualmente, temos o objetivo que este projeto seja conhecido pelo maior número de pessoas possível, para ajudá-las oferecendo capacitação.

Gostaria que voce conhecesse o projeto, acessando o site http://eadsenar.canaldoprodutor.com.br/ e caso queira nos ajudar, entre em contato comigo via e-mail.

luiz.gallo@talk2.com.br

Abraços,

Cláudio J Gontijo disse...

Regionalismo em textos bem preparados. Imagens tocantes. Sertão vivo.

Parabéns!

Felicidade em sua jornada.